5 Lições Que Aprendi Procurando Meu Porquê

Hoje quero compartilhar aqui 5 lições que aprendi procurando meu porquê. 

5 Lições Que Aprendi Procurando Meu Porquê - chris na chapada dos veadeiros
Eu, no poço do Buriti na Chapada dos Veadeiros, pensando na vida e no porquê…

Não caia no erro de pensar que fotografia é só ter bons equipamentos e aprender novas técnicas… De nada adiante tudo isso se você não se conhece e não sabe porque faz o que faz.

No último artigo que publiquei aqui, sugeri que você pensasse sobre o tipo de fotografia que você faria para sempre e explicasse porquê.

Para algumas pessoas a resposta vem fácil: eles descobriram qual o tipo de fotografia que faz seus olhos brilharem e conseguem explicar tranquilamente.

Para outros [estou inclusa nesse bolo!] esse pode ter sido um exercício bem difícil. Mas não se preocupe, isso não significa que seja ruim. Isso apenas significa que você ainda está em busca.

5 Lições Que Aprendi Procurando Meu Porquê - chris em busca
Eu na busca… rs

E, pensa bem, isso é até esperado. Quando você pensa no tipo de fotografia que “você vai fazer pra sempre” pode soar um pouco pesado essa decisão e aí, advinha só: adiamos… Nem pensamos nisso. Deixamos pra depois…

Afinal, saber exatamente o que você quer fazer na fotografia e porque, toma tempo.

Então hoje vou compartilhar aqui algumas lições que aprendi enquanto eu mesma me descobria como fotógrafa.

Hora boa para pegar aquele café, sentar confortavelmente na sua escrivaninha e vir comigo nessa ‘conversa’.

Sinceramente desejo que o que eu compartilhar aqui possa te mostrar que “tá tudo bem em não saber”. A diversão está em nos aventurarmos enquanto descobrimos!

VÁ FUNDO

Minha paixão pela fotografia vem desde os tempos de criança, quando meu pai vivia fotografando nossos momentos em casa. Depois se reforçou, na faculdade de publicidade e propaganda, quando passei a ter aulas de fotografia, ainda revelando o negativo na sala escura e mergulhando o papel fotográfico nos líquidos de cheiro estranho…

Aliás, fuçando umas fotos antigas, achei essa que fiz com uma pin-hole na época da faculdade:

5 Lições Que Aprendi Procurando Meu Porquê - pin hole

*Pin-hole significa ‘buraco de alfinete’ e é uma espécie de câmera, sem lente, feita com uma caixa, ou uma lata e um único furo por onde passa a luz, que é refletida no papel fotográfico que colocamos lá dentro… E depois de deixar um tempo em exposição, revelamos. É bem bacana a brincadeira.

5 Lições Que Aprendi Procurando Meu Porquê - fotos na facul
Isso foi no primeiro ano de PP, na PUC… Eu tinha 18 anos e essas eram as fotos que a gente fazia por lá… #mejulguem rssss

Depois que conheci o Elton voltei a buscar pela fotografia e dessa vez decidi estudar mais. E naquela época eu queria fotografar de tudo e ficava fascinada com cada tema.

Aí descobri a fotografia de crianças e adorava fotografar festas infantis e capturar aquela espontaneidade da criançada…

Depois me aventurei a fotografar casamento e aí deu um clique na mente e de repente eu queria ser fotógrafa de casamento pro resto da vida.

Até que fui fotografar palco e pronto… aquele clima, aquela luz, todas as expressões e a beleza do palco me conquistaram e agora era isso que eu queria fazer pra sempre.

5 Lições Que Aprendi Procurando Meu Porquê - Fotos da Chris

LIÇÃO #1:

Experimente! Vá, faça coisas diferentes! Mergulhe de cabeça e explore! Não caia na armadilha de ficar tentando imaginar como seria aquele tipo de foto, ou qualquer outra coisa.

Tente AGORA! Você nunca vai saber até tentar.

DIZER NÃO É DIZER SIM

Passei alguns anos fotografando eventos e nesse meio tempo conheci muita gente legal e aprendi horrores. Mas… Depois de um tempo eu sentia que aquilo não me preenchia mais.

E, acredite, esse tipo de sentimento é meio assustador. Afinal, eu tinha investido TEMPO, energia e dinheiro construindo um negócio pra depois cair na real de que não era exatamente aquilo que eu queria…

Bateu medo. Mas ao mesmo tempo eu sabia que o melhor que eu podia fazer não só como fotógrafa, mas como pessoa, era ser verdadeira com meus sentimentos. Então eu parei de fotografar eventos e continuei na busca.

E você acha que foi fácil dizer não para as pessoas que vinham me procurar pedindo fotos? Foi dureza… Se foi difícil voltar atrás em algo que eu me dediquei por sei lá quantas horas? Pode apostar que sim…

Agora você pode estar se perguntando se eu me arrependi. Por um breve momento confesso que sim. Me questionei se estava tomando a decisão correta.

Mas depois entendi que era parte do meu processo. E percebi que a fotografia ainda fazia parte de mim e me fazia feliz e eu estava ansiosa em seguir adiante, buscando áreas da fotografia que realmente faziam meus olhos brilharem.

LIÇÃO #2:

Se você já se deu conta de que não está contente com o tipo de fotografia que vem fazendo (ou qualquer outra coisa!) não tenha medo de parar. O medo vem, mas você deve continuar seguindo a diante. Pode ter certeza de que o melhor está por vir.

SAIA DA SUA ZONA DE CONFORTO

As vezes é preciso sair totalmente da sua zona de conforto para perceber o que está bem lá no fundo.

Foi aí que comecei a perceber que tanto eu quanto o Elton adorávamos viajar, explorar lugares e estar em meio a natureza. E a gente sempre fotografava esses momentos. Mesmo lá atrás, com nossas câmeras compactas.

5 Lições Que Aprendi Procurando Meu Porquê - fotografando viagens
Meu filho Lucas com 2 aninhos! E eu sempre com a câmera… 🙂

Nesse momento percebi que a gente adorava escapar nos finais de semana para algum “meio de mato” e voltava cheio de foto… E eu sentia aquilo como algo que eu adoraria fazer pro resto da vida.

Nessa fase reflexiva pude me conhecer mais e aprendi muito sobre o meu porquê nesse processo.

LIÇÃO #3:

É muito fácil (agradável e ‘seguro’) ficar na zona de conforto. O problema é que quando você está na zona de conforto, é bem provável que você não esteja aprendendo muito sobre si mesmo.

Aprendizado vem de novas experiências, por isso se desafie a sair da zona de conforto de vez em quando. Assim você pode ver as coisas de um novo ângulo.

OLHE PRA VOCÊ

Quando me dei conta de que eu não queria mais fotografar eventos, aniversários e coisas formais do tipo, aquilo me assustou.

  • Será que tudo tinha sido perda de tempo?
  • Será que tinha algo de errado comigo?
  • Será que eu não era uma boa fotógrafa?
  • Será que eu tinha perdido o tesão pela fotografia?

Com esses pensamentos em mente eu parei pra pensar…

O que será que eu não tô percebendo?

E foi aí que eu percebi: é a liberdade que me inspira. A liberdade de fotografar do meu modo, de não seguir protocolos, de não precisar dirigir pessoas ou estar em lugares que não fazem sentido pra mim.

Parafrazeando Nietzsche, eu me sinto bem em meio a natureza por que ela não nos julga.

E então eu percebi: adoro acordar ouvindo os pássaros, adoro a luz entrando no meio das árvores no meio da mata atlântica, adoro ficar quietinha espiando um animal, adoro as cores de um nascer do sol e fico fascinada com o céu estrelado.

Eu não me canso fazendo isso. Eu não tenho preguiça de levantar as 4:30 da matina pra ver os primeiros raios do sol. Eu não ligo de levar 57 picadas de inseto enquanto ando numa trilha. Eu não ligo de carregar a mochila pesada e ficar toda suada, só pensando no banho morno que vou tomar depois.

LIÇÃO #4:

Ao prestar atenção em si mesmo você consegue sentir quando as coisas não estão certas. Você apenas sente. E de repente você não sabe o porquê logo de cara, mas preste atenção e olhe pra dentro. Assim que começar a perceber suas reações é possível parar e pensar sobre e com isso tentar descobrir o porquê.

CONTINUE A NADAR…

Quando comecei a fotografar eu tinha certeza de que queria fotografar pessoas, crianças e teatro.

Depois de um tempinho, aprendi um pouco mais e daí sim eu tive a certeza de que queria ser uma super fotógrafa de casamento.

Depois de um tempo, um pouco mais de experiência e mais aprendizado, eu tenho certeza de que quero ser fotógrafa de natureza.

Masssssss… pelo andar da carruagem, pelo que a história me mostra, chances são de que algo mude no futuro. E tá tudo bem!

Fotografia é uma jornada… E estou nessa estrada por apenas 10 anos. Sou juvenil…

Eu não posso querer entender tudo completamente, ou até a mim mesma, ainda.

LIÇÃO #5:

Continue a explorar a si mesmo enquanto fotógrafo. Não relaxe e pense que você já resolveu tudo pois chances são que você esteja limitando a si mesmo.

Os fotógrafos mais interessantes da história foram fascinantes, multitalentosos e tinham um profundo entendimento da fotografia.

Quanto mais você busca e aprende, mais fundo você vai enquanto artista.

Sim… Leva tempo. Mas a jornada em si é a diversão!

Então, se você estiver passando por um período difícil e não tem certeza se encontrou o seu porquê, continue a nadar!

Você vai encontrar e mais, as lições que você aprender em sua busca, vão te tornar um fotógrafo muito mais forte. Muito melhor.

E lembre-se: você tem uma longa jornada pela frente. Aprecie o passeio!

5 Lições Que Aprendi Procurando Meu Porquê - Ubatuba
Nessa longa estrada da vida, vou correndo e não posso paraaaaaar!

Comente com o Facebook

comentários

2 Comentários


  1. Simplesmente demais!
    Ingressei na fotografia a pouco mais de 3 anos e ainda não me encontrei. Confesso que já pensei até em desistir. Mas, acho que devo continuar a busca…
    Abraços.

    Responder

    1. Oi Alexandre,
      Que legal que gostou! Sim… a busca é constante.

      É só lembrar da Doly… continue a nadar! Que a resposta aparece.

      Abraços!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *